16 de mar de 2009

SILHUETA



SILHUETA
(GenauraTormin)

Abrir o coração,
falar de ti,
cobre-me a alma
de lembranças queridas,
que repasso
feito um rosário.

Você chegou,
marcou meu mundo,
e se foi,
qual revoada de pássaros.

A canção, ainda ouço,
feito soluços guardados,
ou a sonoridade
de uma solidão,
a lembrar
as manhãs do nosso tempo.
Um silêncio,
um olhar
bastaram
para que se fizesse noite.

Um tornado
levou-te para longe.
A inclemência do frio
congelou a alma,
fragmentou a vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário