10 de mar de 2013

PAIXÃO



Podia escrever o teu nome num vidro embaciado ou
segredá-lo a uma borboleta negra.

Podia cortar os pulsos e deixar o sangue correr até que
o mar ficasse vermelho.

Ou beijar-te os pés. Mas esse gesto está reservado
desde o princípio dos séculos e teria o sabor de uma
profanação.

JORGE DE SOUSA BRAGA,
 in O POETA NU 

Nenhum comentário:

Postar um comentário