15 de mar de 2009

ETERNIDADE



ETERNIDADE
(Genaura Tormin)

Eu queria,
como nos velhos tempos,
te contar histórias.

Sair sob uma lua fria,
com o vento soprando,
numa relva verde
para mostrar-te as estrelas
e te falar de nós.

Com o coração
a quebrar-se no peito
e o corpo acostado ao seu,
beijar-te-ia o rosto,
as mãos,
os flancos,
e me deixaria ficar.

Aí faríamos um ninho,
só nosso,
adornado de flores,
cheio de crianças,
onde pássaros cantores
entoassem hinos
eternizando
esses momentos lindos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário