3 de mai de 2013

TENÇÃO DE MAL-DIZER



Se eu pudesse desamar,
Que me sempre desamou,
Não me fizera penar
Do mal que penando estou.

Assim me vingara eu
De que por mim não sofreu.

Mas não posso eu desamar,
Quem me sempre desamou,
Por isso quero poupar
Quem a mim nunca poupou:

Rogo a Deus não faça amar,
Quem me sempre desamou.

Martins Fontes
In: Obra Poética



Nenhum comentário:

Postar um comentário