26 de nov de 2012

REGRESSO AO LAR



Ai, há quantos anos que eu parti chorando
deste meu saudoso, carinhoso lar!
Foi há vinte?... Há trinta? Nem eu sei já quando!
Minha velha ama, que me estás fitando,
canta-me cantigas para me eu lembrar!

Dei a volta ao mundo, dei a volta à vida.
Só achei enganos, decepções, pesar.
Oh, a ingênua alma tão desiludida!.
Minha velha ama, com a voz dorida.
canta-me cantigas de me adormentar!

Trago de amargura o coração desfeito
Vê que fundas mágoas no embaciado olhar!
Nunca eu saíra do meu ninho estreito!
Minha velha ama, que me deste o peito,
canta-me cantigas para me embalar!

Pôs-me Deus outrora no frouxel do ninho
pedrarias de astros, gemas de luar.
Tudo me roubaram, vê, pelo caminho!
Minha velha ama, sou um pobrezinho
Canta-me cantigas de fazer chorar!

Como antigamente, no regaço amado
(Venho morto, morto!...), deixa-me deitar!
Ai o teu menino como está mudado! 
Minha velha ama, como está mudado!
Canta-lhe cantigas de dormir, sonhar!

Canta-me cantigas manso, muito manso
Tristes, muito tristes, como à noite o mar.
Canta-me cantigas para ver se alcanço 
que a minha alma durma, tenha paz, descanso,
quando a morte, em breve, ma vier buscar!

Guerra Junqueiro,
in Os Simples

Nenhum comentário:

Postar um comentário