27 de ago de 2012

CHAMA



acender uma chama com cuidado
todas as noites
para que vele os sonhos
para que a alma não se apague
para que a poesia não escape
sombra sorrateira rente ao muros
arrumar todas as noites
as miragens ao pé da cama
como um jogo antigo
onde nas pedras vinham escritas
portas secretas.

Roseana Murray
In ‘Poesia Essencial’  

Nenhum comentário:

Postar um comentário