22 de mai de 2012

SAUDADE


Saudade é o cantar apaixonado
De um sabiá em tarde branda e linda;
É o espelho indelével do passado
Com a imagem de alguém que se ama ainda.

Saudade é um riso triste, amargurado,
Disfarçando uma dor cruel, infinda...
Bater de um coração descompassado
Na avidez de esperar provável vinda.

É a noite mal dormida, o olhar sofrido;
Dentro de nós o peito dolorido
Prestes a explodir de ansiedade...

É a lágrima discreta, comovente,
Rolando pela face, lentamente
Acolhendo terrível realidade.


Bernardina Vilar


3 comentários:

  1. Amália! Vc postou um soneto da minha tia!

    ResponderExcluir
  2. E que lindo soneto! Faz bem à alma e ao coração! Assim, parabéns às três: autora, sobrinha, Amália... E também a mim, pois li e gostei demais.
    Fui

    ResponderExcluir