22 de mar de 2012

NOITE SONORA


NOITE SONORA

Anoiteceu. Pelas montanhas veio
Lentamente o crepúsculo caindo ...
O céu, redondo e claro como um seio,
Ficou, de lindo que era, inda mais lindo.

O vale abriu-se em pirilampos cheio,
Luzindo aqui, e ali tremeluzindo ...
No regaço da treva, úmido e feio,
A natureza adormeceu sorrindo ...

As cigarras, na sombra, se calaram:
As árvores no bosque farfalharam
Na esperança de ouvi-Ias e de vê-las.

Caiu de todo a noite quieta ... Agora,
O céu parece uma árvore sonora
De cigarras cantando nas estrelas ...


Olegário Mariano
em Últimas cigarras (1920)

2 comentários:

  1. A noite com sua sutileza e silêncio me comove,quando este silêncio é enaltecido com cantos de cigarras, fica ainda mais bela.Beijo com cheiro de carinho.:-BYJOTAN.

    ResponderExcluir
  2. São momentos tão simples e comuns, mas quando paramos para observar, esses momentos são mágicos.

    É nesse simples anoitecer que uma enxurrada de sentimentos revira meus pensamentos...

    Linda poesia!

    ResponderExcluir