18 de ago de 2011

Infinitude



Envolvo-te num silêncio
insólito como punhal,
no ontem azul
de um dia sem sal

Meu tempo se expande
como um véu neutro
de uma tarde peregrina

Nesse momento,
meu amor se debruça nas estrelas
como os últimos caminhos
dessa desmedida infinitude


Conceição Bentes

2 comentários:

  1. Lindo, leve, ligeiro, gostoso de se ler e sentir na alma a sutileza dos versos. Bom demais é encontrar essa amiga/poeta de quem tanto gosto e admiro.
    Beijo, moça!

    ResponderExcluir
  2. Belo,simplório e ao mesmo tempo riquíssimo e emocionante!

    ResponderExcluir