29 de jun de 2011

Vento De Liberdade


Vento de Liberdade

Vento de liberdade
das entranhas da terra
irrompe um vento alucinado
que varre… varre… varre
as folhas secas do mundo…
vento que geme e uiva fundo
e fere como punhais
o coração dos mortais…

vento horrível e cruel
que espezinha e enrodilha
e dá guerra sem quartel…

e ora rasteja em gemidos,
ora se eleva em furores
e uiva como um trovão,

mas em todos os sentidos
é VENTO DE LIBERDADE
que o pobre mundo assombrado
pretende reter na mão.


Amélia Veiga (poetisa angolana)

2 comentários:

  1. Olá!!!
    Estou deslumbrada com esse poema
    uma poetisa Angolana foi tudo de bom que encontrei nessa manhã frio .
    Já estou levando seu poema e endereço de blog
    vou colocar em homenagem na próxima postagem.
    Parabenizo você pela belissima postagem.
    Um beijo carinhoso lindo final de semana beijos e beijos,,Evanir.

    ResponderExcluir