14 de fev de 2011

Noturno

Espírito que passas, quando o vento
Adormece no mar e surge a Lua,
Filho esquivo da noite que flutua,
Tu só entendes bem o meu tormento...

Como um canto longínquo - triste e lento-
Que voga e sutilmente se insinua,
Sobre o meu coração que tumultua,
Tu vestes pouco a pouco o esquecimento...

A ti confio o sonho em que me leva
Um instinto de luz, rompendo a treva,
Buscando. entre visões, o eterno Bem.

E tu entendes o meu mal sem nome,
A febre de Ideal, que me consome,
Tu só, Gênio da Noite, e mais ninguém!

(Antero de Quental)

2 comentários:

  1. Parabéns pelo seu blog!
    Visual de bom gosto e com um propósito muito nobre: divulgar a poesia!
    Não vou ser só seguidor...vou morar aqui!
    Beijo

    ResponderExcluir