1 de jan de 2011

Ao sabor das ondas

Ao sabor das ondas , ignoramos
riqueza que se esconde
 sobre as águas - somos poetas!!!
Perpetua no peito a saudade e
a cada manhã reinventa com o Sol

Carecemos de público-somos petas-
no espaço
 imponderável de
 nossas crenças.
Somos poetas o preconceito
bate lá fora...


O baladar dos sinos ,
o cheiro de couro ...
preparar a massa , assar o pão ,
afiar a faca ,
deixar o leite gordo
adensar-se em
 manteiga e comer...assim
sonha o poeta.
Acordar de manhã ,
arrumar a cama e
ir trabalhar- ser poeta do mesmo
modo é ser simples e ser
completamente
e totalmente gente comum.

Não seria a hora de condicionar
o progresso das coisas à felicidade
da gente e, ao menos,admitir
que o Criador crê na sua criatura?

Acordar de manhã , arrumar
a cama e
 ir trabalhar- ser poeta do
 mesmo modo é ser simples e
ser completamente e totalmente
gente comum.
Não seria a hora de condicionar
 o progresso das coisas à felicidade
da gente e, ao menos,admitir que
o Criador crê na sua criatura?
hora de terminar com
os preconceitos :
Ser poeta e ser lindo ...
A devoção de fazer com que
 sofrimento humano se amenize.
é fazer do amor e da razão
um porto seguro.

Se a arte não serve para
explicar a vida , ela não serve
para nada!

O sonho que se
 faz de músculos
e alma.
O real contra a parede!!
!Sou feliz.Sou poeta e
morrerei -Ser poeta-
Prelúdio de uma trans-formação:
 Criando Consciências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário