18 de set de 2010

Tempo das horas



Quero o tempo e horas
sobrevivendo às tempestades,
intraduzíveis, silenciosas
na imensidão de outros céus

Sou o vazio silêncio
que nunca foi suficiente
aos olhos do esquecimento

Dos atos falhos,
não me prendo a nada,
sou o próprio som do meu ser,
a verdade da consciência,
caminhos a percorrer

Nivelo-me à única certeza que tenho,
desisto dos sonhos que morrem em mim
ficando a soberania do desapego,
a alternância das dores,
o reflexo do sentir


Conceição Bentes
Publicado no Recanto das Letras em 16/09/10
Código do Texto: T2502302

Nenhum comentário:

Postar um comentário