21 de set de 2010

O Encontro Dos Deuses

O Encontro Dos Deuses

Os pássaros, as cigarras e todos os bichos alados, fogem a procura de uma nova estrela.Desprende uma tênue mancha de claridade que o vegetal colhe exausto!
No espaço, os últimos raios solares, iluminavam a Campina... Nasce à noite. Todos os bichos noturnos saem à caça... rumores ...sombras ...sussurros ...Descendem!!!
Desprende uma tênue mancha de claridade, que o vegetal colhe exausto.
No espaço, os poucos raios solares, iluminam a Campina.

É NOITE DE TREVAS

Tudo estarrece, num sofrimento sem fim...E surge a feição extraordinária de um Falcão ...passos leves, um entreabrir de bico, um bater calmo de asas....

(que faz tão longe de casa?)

Sou guerreiro matador! Matador implacável, que conhece as vozes dos ventos e o canto dos pássaros... Sou amante que têm a agilidade de um relâmpago...

Sou o poder... A arma...A flexibilidade do fogo.

Sou belo, independente, aderente, claro.Um bárbaro que exibe deslumbrantemente um espetáculo de selvageria.
Tenho na boca um sorriso triste, frio e no coração?Não tenho coração.

É MADRUGADA DE AMOR (A águia)

Tudo estarrece, num sofrimento sem fim... mas um deus a surgir. Feito estranha voou sobre a campina (perseguindo) em suavíssimo vôo... em vôo pequenino ...atrás ...atrás... Atrás... É a Águia,fantástica criatura, verdadeira Manifestação do poder.
Nada mergulha mais fundo nas estranhas que suas garras. Nenhum outro penetra mais profundo na faculdade da morte... Se afunda . É ela a grande mergulhadora...

O ENCONTRO (nasce o dia)

O vento sopra ao pé da montanha, é tarde... Sobre os raios do sol surgem às asas douradas do Falcão Com que o ouro os astros colheu. Escuta-se um leve bater de asas,um leve cantar em voz queixosa,uma leve essência de sedução,um cheiro adocicado de amor!!!


Orgulho, Prepotência.Dona... Os olhos às vezes brilham num brilhar irresistível...num DOCE INFERNO.

O COMEÇO DA QUEDA


Às vezes, gostaria de conhecer cada pedacinho dos seus pensamentos... Saber se existe ou é imaginação minha...

(dois gladiadores)

Os recantos mais profundos dos seus suspiros!!!

(que riso mais irônico... presa fácil)

Ser dona, nem que fosse um segundo de alguns momentos indefiníveis, vagos,
Adormecidos na noite de seus sonhos...
Deixe-me, Falcão, apenas adormecer em seus braços e sonhar os sonhos que tanto anseiam a minha alma! ?
Deixe-me adornar as suas penas com as estrelas ,deixe-me passear, pelo infinito azul dos seus instintos...? (Na luta contra o mau , a atitude mais obvia , é mostrar uma aparência firme, cheia de nobreza e avançar com decisão. ”Nossa razão e nossa paixão são o leme e as velas de nossa alma navegante, pois a razão, reinando sozinha, restringe todo impulso; e a paixão, deixada a si, é um fogo que arde até sua própria destruição”)



MAS O FALÇAO CAIU...CAIU...
É A AGUIA A GRANDE MERGULHADORA.

O deslumbramento


Situações extraordinárias!!! Exige soluções extraordinárias.

Do alto da montanha podia-se ver um nobre e calmo sorriso de bondade
E um claro raio de proteção, de pomba regida pelo Sol.

E pela extensão majestosa e verde do Mar, via-se lá do alto a figura sagasticamente fatal da oponente Águia ,

Sua agilidade física inconstetada,porte régio, ninguém foge de suas garras mortais
Seus nítidos olhos são como fechas de luz plumagem pardo-escuro .


(Algum brasão tem sua figura para indicar poder, símbolo de força, astúcia, sagacidade.)


PORÉM...INFELIZMENTE, ELA SE APAIXONOU PELO
SENHOR DAS ÁGUAS __O MAR

(destino maquiavélico)

E em tributo a este amor? Suicida-se... um suicídio de paixão...

Do alto da montanha,abre as suas asas
Projeta-se de encontro ao seu grande amor AO MAR
E COMO COMETA RISCA O BRILHO DO CÉU
E AFUNDA... AFUNDA... AFUNDA!!!

O Mar a tentou devolver varias vezes mas ela voltava... Voltava ofegante...
Respirando depressa,bico aberto, língua pendente. E insensível...
Insaciável... Às asas tremiam e ela ficava pálida, fria
Muito pálida...

(que fez o Mar?)

O Mar, deus menino, deus homem sentiu pena daquele amor impossível!!!
Seu corpo majestoso e flexível sua força Herculano,fez com que as ondas traçassem na areia o gozo de Sua paixão.....

Mas a fatalidade do destino trouxe o vento que nada sabia
E como Tufão apagou... Apagou!
Maria Cristina Moysés

( Não copie , respeite a mim que escrevi e você que leu. )

Nenhum comentário:

Postar um comentário