30 de ago de 2010

Nesta Vida

Nesta vida, em que sou meu sono,
Não sou meu dono,
Quem sou é quem me ignoro e vive
Através desta névoa que sou eu
Todas as vidas que eu outrora tive,
Numa só vida.

Mar sou: baixo marulho ao alto rujo,
Mas minha cor vem do meu alto céu.
E só me encontro quando de mim fujo.

Quem quando eu era infante me guiava
Senão a vera alma que em mim estava?
Atava pelos braços corporais,
Não podia ser mais.

Mas, certo, um gesto, olhar ou esquecimento
Também, aos olhos de quem bem olhou,
A Presença Real sob o disfarce
Da minha alma presente sem intento.

(Fernando Pessoa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário