20 de ago de 2010

Da Margem Esquerda Da VIda


Da margem esquerda da vida
Parte uma ponte que vai
Só até meio, perdida
Num halo vago, que atrai.
É pouco tudo o que eu vejo,
Mas basta, por ser metade,
Pra que eu me afogue em desejo
Aquém do mar da vontade.
Da outra margem, direita,
A ponte parte também.
Quem sabe se alguém me espreita?
Não a atravessa ninguém.


Reinaldo Ferreira

Um comentário:

  1. Muito bom, o poema, com leituras diversas e bem interessantes.

    Beijo :)

    ResponderExcluir