27 de set de 2009

Alma minha


Alma minha

Sob a curva fúnebre da noite,
sobre a cálida areia de um deserto,
desterrado, com a mente conturbada,
meu pé desnudo, vacilante marcha...

e, alem da curva fúnebre do céu
a solitária estrela...
e alem, sobre as areias cálidas,
o oásis e a água!

Sob a curva fatídica da dor,
sobre o deserto dessa vida trágica,
minha aflita mente se conturba;
tenta travar minha caminhada...

e alem, da curva dessa dor, sinistra,
a luz da esperança...
e além, sobre o deserto da minha vida
o som dos sentimentos vários de minh’alma...

>Pedro Bonifácio Palácios
Tradução livre: Regina Helena e Maria Madalena

Um comentário:

  1. Encantada de pasar a conocerte en esta passion y en esta alma, un abrazo desde Buenos Aires, con tu permiso estaré vistandote. Saluditos.

    ResponderExcluir