11 de mar de 2009

VERDES ANOS, DOCE PRIMAVERA



VERDES ANOS, DOCE PRIMAVERA
(Genaura Tormin)

Encontrei entre guardados,
Uma fotografia antiga, amarelada,
Testemunha solitária que ainda me restou.
De saudades, extravasei-me em lira,
Fechei os olhos e viajei no tempo,
Senti-me criança no pensamento:
Pés descalços, subindo às árvores,
Colhendo flores...

Quantas brincadeiras, quantas gargalhadas,
No vozerio estridente da meninada.
Inocência da infância risonha e bela!
Fase tão bonita de minha vida!
Verdes anos, doce primavera!

O grupo escolar, a professora,
A capelinha da Serra,
A festa de São João,
A fogueira acesa na noite sem véu,
Sob a lua faceira,
Que se exibia no alto do meu céu.

Como era feliz e não sabia!
O mundo era todo meu.
Cabelos soltos, vestido de chita,
Na gostosura de saber-me bonita.

A vida era colorida, um jardim florido!
Regado pelo tamborilar da chuva fria,
O cantar do galo, da passarinhada,
Em lindos concertos para alegrar o dia.

O aroma da brisa nas tardes sombrias,
Em que o sol vazava as folhagens dos arvoredos,
Para rendilhar o chão batido,
Bordando imagens, nossos folguedos,
Reacendem-me queixumes doloridos,
Aprisionados no coração, em total degredo.

Foi-se aquele tempo...
Retratos desbotados no sacrário das lembranças.

Nenhum comentário:

Postar um comentário