12 de mar de 2009

PUNHAL DO TEMPO


PUNHAL DO TEMPO
(Genaura Tormin)

Foram-se os verdes anos,
A juventude cheia de festa,
De encantos...
O castelo, o príncipe encantado...
Lembranças fortes,
Reclusas aqui,
Nos versos que decanto!

O calendário inclemente
Conta as saudades,
Registrando lentamente
No filme da vida,
Uma história ultrapassada, vencida.

Hoje,
Sou apenas
Um retrato já desfigurado,
Fora de moda.
Sou o tempo que não vivi,
A timidez que não venci.
Sou um disfarce qualquer
Perambulando por aí.

Tenho machucaduras
Expostas aqui na alma.
Os sulcos por toda a face
Dos pedregulhos da estrada,
Do punhal que me apunhala.

Nenhum comentário:

Postar um comentário