12 de mar de 2009

CREPÚSCULO



CREPÚSCULO
(Genaura Tormin)

A ramagem verde e florida
É a moldura do crepúsculo.

A natureza grávida de flores e frutos,
Se oferece em aroma, essência e vida.
Num bailado acrobático de asas e zumbidos,
Abelhas se exibem em show.
A passarinhada trina em coro.
A paz se multiplica, e o amor se faz!

Sombras rendilham o chão
Em desenhos sonolentos.
São bandeiras ouriçadas ao açoite do vento,
Às carícias incandescentes do sol poente.
Os últimos lampejos abraçam a terra,
Coroando-a de fímbrias prateadas,
De indescritível policromia!

Antes de fechar a porta do dia,
O céu se veste em traje de gala,
Borda a terra de afagos fraternos,
Laivos de ternura...
Nesse ritual, a alma canta,
O astral se levanta,
E Deus se mostra na beleza do universo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário