17 de mar de 2009

AO MEU REI


AO MEU REI
(Genaura Tormin)

Com argila,
tentei esculpir-te
a silhueta.

Grande fiz o teu coração,
as entranhas pulsantes
e a ternura desses olhos
que dão vida aos meus instantes.

Alonguei-te as têmporas,
marquei-te os lábios
e sincronizei as palavras
com as batidas quentes
do meu peito.

E,
eis que estava pronto
o meu Rei.
Austero, porém humilde,
forte mas dócil,
gigante,
mas capaz
de se tornar criança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário